Crítica: Magic Mike


Como era mesmo o bordão da novela “De Corpo e Alma” exibida pela Rede Globo? “É pra você, mulher!” Quem já está sentindo algum peso da idade nas costas, certamente vai lembrar do programa televisivo estrelado por Victor Fazano há exatos 20 anos atrás – sem trocadilhos, por favor – quando (e se) for assistir a Magic Mike. Produção realizada para o universo feminino, dificilmente homens (heterossexuais) e mulheres de bom senso que já sairam da puberdade se interessarão por este drama semi-biográfico da vida pregressa do ator Channing Tatum.

Tatum é o Mike do título, sujeito que ganha a vida durante o dia fazendo bicos de marceneiro e a noite tirando a roupa no clube stripper comandado pelo irreverente Dallas (Matthew McConaughey, o melhor ator em cena). Para entreter as mulheres dá o melhor de si – com trocadilhos, por favor -, mas tem outros objetivos na vida: ser dono do seu próprio negócio, uma empresa de móveis sob encomenda.

Disposto a ajudar Adam (Alex Pettyfer), jovem inexperiente que não leva jeito para a construção civil, Mike o leva para trabalhar como ajudante no “Clube das Mulheres”. Demora pouco para o garotão estar em cima palco rebolando e mostrando a bunda para a plateia. Praticamente o mesmo tempo que leva para Mike se envolver com Brooke (a inexpressiva Cody Horn), a irmã mais velha de Adam.

Embora carregado de erotismo, Magic Mike tem clima de “Sessão da tarde”. O roteiro fraquinho e manjado, graças ao experiente diretor Steven Soderbergh (À Toda Prova), possui uma narrativa até agradável. Ainda que recheado de clichês, diálogos terríveis, soluções estapafúrdias e péssimas performances – ignore esta última observação se você ficou hipnotizada(o) com as coreografias sensuais -, o drama flui até seu final (moralista) sem ser maçante.

Lamentável é ver Soderbergh envolvido neste tipo de produção rasteira. O cineasta que sempre esteve associado a projetos, digamos, mais significativos, voltou atrás na decisão de se aposentar para comandar filmes abaixo da média como este. Apesar dos pesares, os movimentos pélvicos garantiram a boa bilheteria do filme nos EUA e já falam até em continuação. Logo agora quando eu estava começando a respeitar Channing Tatum como ator…

(2/5)
Magic Mike (Idem)
Estados Unidos, 2012 – 110 min.
Direção: Steven Soderbergh. | Roteiro: Reid Carolin.
Elenco: Channing Tatum, Alex Pettyfer, Matthew McConaughey, Cody Horn, Olivia Munn.

  • Lais

    Achei o filme um saco ! De legal só os momentos dançantes … tinha uns diálogos que não diziam nada com nada e essa Cody Horn … não sei nem como descrever como era inexpressiva, estranha e chata ! Atuação péssimaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa a dela ! Resumindo, nos 3 últimos minutos eu já não aguentava maaais levantei e parei de assistir !

  • Helma

    Recalcado