Getroself #37: Review de A Bruxa

A Bruxa é um horror de arte. Não espere encontrar nesse filme os tradicionais clichês do gênero, elaborados efeitos visuais, gore e muito menos jumpscares. O objetivo do longa escrito e dirigido por Robert Eggers não é meter sustinhos nos espectadores, e sim fazê-los tremer de medo por vários dias. Produção que trabalha com o simbolismo nas entrelinhas, desde já um clássico do horror moderno.

  • Jacqueline Gerviskas

    Perfeita a análise, o filme é sensacional.

  • alex marcvs

    Concordo com 99% da sua resenha. Os outros 1% residem basicamente em dois itens: os 20 minutos finais que trocam a sugestão pelo explicitação e o (citado) exagero de certos críticos, o quê acabam colocando a expectativa do público num patamar que o filme dificilmente alcançará. Não acredito trata-se de um clássico instântaneo, mas o tempo talvez lha faça justiça, como ocorreu com o Blade Runner, por exemplo. Contudo, no caso desse último, colaborou muito mais o boca a boca da audiência do que a voz da crítica especializada, um fato inverso à A Bruxa e que, repito, atrapalha muito a experiência cinematográfica. Só para constar, segui duas dicas tuas (Ninho de musaranhas e Enquanto você dorme) e os achei muito superiores na capacidade de assustar, criar tensão e medo.