Crítica: A Vida Secreta de Walter Mittty


Remake de O Homem de Oito Vidas, produção de 1947, A Vida Secreta de Walter Mitty, novo trabalho de Ben Stiller como diretor, é um divisor de águas na carreira do astro, que prova aqui ser capaz de atrair as plateias com um enredo “sério”. O roteiro do sempre competente Steve Conrad (À Procura da Felicidade), baseado em um personagem fantástico criado pelo escritor americano James Thurber para um conto publicado na revista The New Yorker em 1939, é envolvente e divertido, um convite ao público a encontrar a verdadeira beleza do sonhar contido dentro de todos nós.

Na quimérica história, conhecemos Walter Mitty (Stiller), um homem que trabalha há 16 anos na conceituada Time/Life sendo responsável pelo setor de processamento de fotografias. Walter é tímido, tem poucos amigos e possui uma imaginação que ultrapassa qualquer limite da definição de absurdo. Em suas experiências dentro dos sonhos, o pacato sujeito vive inúmeras histórias fantásticas. Porém, na realidade, sofre por não conseguir se aproximar da mulher que ama, a colega de trabalho Cheryl (Kristen Wiig, de Missão Madrinha de Casamento) e enfrentar os grandes vilões de sua vida.

A revista para qual Mitty trabalha está prestes a lançar seu último exemplar, antes de migrar definitivamente para a mídia online. Quando um precioso negativo contendo as imagens que vão ilustrar a capa da última edição da Time/Life desaparece, Mitty vê seu emprego colocado em risco, decidindo então abandonar seu mundo de fantasia para embarcar em uma aventura fantástica maior que qualquer outro sonho já visto.

O roteiro é muito consistente, deixando o público louco para saber o que virá na sequência das ações do protagonista. O longa mistura fantasias mirabolantes e realidade, cabendo ao espectador atenção para desvendar o que cada cena significa. Entre paisagens lindas, diálogos hilariantes, e muitas referências cinematográficas – Matrix, O Curioso Caso de Benjamin Button -, A Vida Secreta de Walter Mitty é um daqueles filmes incríveis que ficam guardados na memória durante muito tempo.

Um dos pontos altos desse projeto é o estupendo trabalho de Stiller (quem diria?!), tanto atuando, quanto dirigindo. Consciente e entendendo cada detalhe de seu curioso personagem, ele domina as grandes cenas como um veterano das telonas. Entre oníricos sonhos e cenas dramáticas, Stiller consegue ser simples e profundo ao mesmo tempo, mostrando uma sensibilidade absurda. Sua parceira de cena, Kristen Wiig (quem diria 2?!), também surpreende, mostrando que tem potencial de algum dia ser uma atriz muito interessante. Sean Penn também está no filme, numa participação pequena, mas marcante.

Outros destaques são a fotografia monumental, os caprichadíssimos efeitos visuais e a contagiante trilha sonora assinada por Theodore Shapiro (O Diabo Veste Prada) que contém canções de David Bowie, José Gonzalez e Monsters and Men. Se Carl Jung fosse vivo, certamente iria amar essa fabulosa experiência cinematográfica que é A Vida Secreta De Walter Mitty.

(4.5/5)
A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty)
Estados unidos, 2013 – 114 min.
Direção: Ben Stiller. Roteiro: Steve Conrad.
Elenco: Ben Stiller, Kristen Wiig, Adam Scott, Patton Oswalt, Shirley MacLaine.