Blumhouse: a fábrica de pesadelos que deu certo


Blumhouse Productions

Um dos filmes mais rentáveis da história, Atividade Paranormal foi realizado com irrisórios US$ 15 mil e faturou US$ 193 milhões nas bilheterias mundiais (em 2009) Desde então, sai uma sequência por ano – em 2014 rolou um derivado latino, e em 2015 chega o último da cinessérie -, realizada nos mesmos moldes: orçamento baixo e lucros inversamente proporcionais. A ideia do filme partiu do cineasta israelense Oren Peli, mas foi o produtor norte-americano Jason Blum, da Blumhouse Productions, quem transformou a fórmula numa franquia milionária.

Blum, de 44 anos, é um espécie de Rei Midas da atualidade. Só para ter uma ideia, nos últimos cinco anos, com custos de produção totalizando míseros US$ 27 milhões, sua produtora lançou oito filmes de terror – incluindo Sobrenatural, A Entidade e Uma Noite de Crime – que arrecadaram US$ 1,2 bilhão em escala mundial. Só a cinessérie Atividade Paranormal, com quatro filmes, responde por mais da metade deste número mágico de dez dígitos.

Uma matéria recente publicada no New York Times explica o segredo do sucesso da Blumhouse. Para conseguir realizar longas com baixo orçamento e atrair diretores e elenco de renome, o Sr. Blum recorre a um contrato peculiar onde todos concordam em trabalhar pela tabela do sindicato. Tendo sucesso, o lucro é dividido. O modelo de negócios incomum é o oposto praticado atualmente pelos grandes estúdios, que continuam acreditando na máxima de “gastar mais para ganhar mais” – o que nem sempre dá certo, vide o fracasso este ano dos blockbusters Além da Terra, O Cavaleiro Solitário e R.I.P.D. – Agentes do Além.

Blumhouse

Este jeito próprio de trabalhar, tem atraído parcerias interessantes. Barry Levinson (Rain Man), Joe Johnston (Capitão América: O Primeiro Vingador) e Michael Bay (Transformers) já fecharam filmes com a Blumhouse Productions. Já os atores, ficam tentados com as filmagens curtas de quatro semanas, que eles podem encaixar nos intervalos de projetos maiores – e a chance de ganhar mais dinheiro do que normalmente ganhariam. Isto explica a presença de astros como Ethan Hawke, Rose Byrne e Patrick Wilson (com cachês na casa de US$ 1 milhão) nas produções da empresa.

Independente da estratégia de negócios adotada por Blum, o fato é que seus filmes, em sua grande maioria adeptos da estética found-footage, com imagens simulando filmagens caseiras, videos de celular, ou capturadas de circuitos de segurança, encontrou seu nicho na geração youtube atual, entre 16 e 25 anos. Com cerca de 20 projetos (em diferentes estágios de desenvolvimento) agendados para os próximos três anos, a Blumhouse Productions definitivamente veio para ficar.

  • Victoria Régia de Oliveira

    É o estilo de filmagem que não me agrada.