Crítica: A Hora Mais Escura


Quando a produção de A Hora Mais Escura foi anunciada em 2010, políticos republicanos e grupos radicais de direita o acusaram de veículo de propaganda para a reeleição de Barack Obama. Um filme sobre a caçada ao terrorista Osama bin Laden certamente influenciaria o resultado nas urnas. A Judicial Watch, uma organização conservadora que tem como objetivo “acabar” com a corrupção no Governo, declarou que a Casa Branca agiu de forma inapropriada ao fornecer a diretora Kathryn Bigelow e o roteirista Mark Boal documentos confidenciais pertencentes ao Serviço Secreto norte-americano.

Depois que Obama venceu, sem qualquer ajuda do filme diga-se de passagem, A Hora Mais Escura estreou (em circuito reduzido) nos Estados Unidos. E uma nova onde de protestos contra a película aconteceu, desta vez, vindos da esquerda. A ala democrata se manifestou em peso, tachando o longa de infomercial de “waterboarding” (afogamento simulado), insinuando que a tortura teria levado a CIA a localizar bin Laden. O irônico neste bafafá é que, inicialmente, o filme contaria o fracasso da missão. Depois que as autoridades americanas divulgaram que o saudita havia sido morto nos arredores de Abbottabad durante uma operação secreta no Paquistão em maio de 2011, Boal, cujo script já havia concluído, precisou modificar o final da história, acrescentando 30 minutos intensos que resultam na execução do líder da Al Qaeda.

Quem assistiu Guerra ao Terror (2008), longa anterior de Bigelow, sabe que ela não faz o tipo que toma partido e costuma manter até certo distanciamento político. Se as cenas de tortura se tornaram moralmente discutíveis, certamente não foram inseridas ali com este propósito. O objetivo não é denunciar como o governo dos EUA trata os acusados de terrorismo – embora alguns personagens defendam com afinco a ideia de que “os fins justificam os meios” -, mas sim, mostrar uma triste realidade que se tornou marca registrada da administração Bush. Fascinada pelo mundo masculino e da violência movido a testosterona, Bigelow não contesta a terrível prática, apenas a apresenta.

A construção do filme é tão intensa e ultra-realista que às vezes até parece uma matéria jornalística. Trata-se de uma aula (cruel) de história moderna, que começa com o atentado ao World Trade Center em 2001 – sem imagens, apenas com sons de ligações telefônicas e rádios -, e em seguida reproduz todos os demais ataques terroristas – Metrô de Londres em 2005, Hotel Marriot de Islamabad em 2008, base norte-americana no Afeganistão em 2009 – que ocorreram até a fatídica localização de bin Laden. Quem conduz esta linha temporal é Maya (Jessica Chastain), uma agente da CIA que questiona as torturas aplicadas aos suspeitos, mas crê no resultado de tais métodos. Focada em seu objetivo, ele abre mão de sua vida pessoal durante dez anos para coordenar a missão em busca de pistas que levem ao paradeiro do criminoso.

A obstinada personagem de Chastain lembra bastante a Carrie do seriado Homeland. Talentosa e competente, a atriz realizou um trabalho impressionante que transcende a tela – o amadurecimento e transformação de sua Maya ao passar dos anos é notável – digno de reconhecimento. Premiada com o Globo de Ouro e o National Board Review, a bela Jessica deve levar o Oscar por sua performance, provavelmente o único entre os cinco que a produção concorre – Melhor Filme, Atriz, Roteiro Original, Montagem e Edição de Som.

Zero Dark Thirty – expressão militar que se refere a uma hora não especificada da madrugada ideal para um ataque – é um filme excepcional, longe de cunhos políticos. Eficaz e extremamente coeso ao remontar acontecimentos recentes da História, está acima de qualquer (pré)conceito ou acusação de patriotismo exacerbado que venham a rotulá-lo. Seu discurso não é por justiça ou vingança, apenas uma confirmação da terceira Lei de Newton: para toda causa há uma consequência.

(4.5/5)
A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)
Estados Unidos, 2012 – 157 min.
Direção: Kathryn Bigelow. Roteiro: Mark Boal.
Elenco: Jessica Chastain, Joel Edgerton, Chris Pratt, Mark Strong, Kyle Chandler.