Home Críticas

Crítica: O Mestre


Em uma das muitas cenas memoráveis de O Mestre, o líder d’A Causa Lancaster Dodd, detido na cela adjacente ao do ex-marinheiro Freddie Quell, observa impassível este liberar a sua raiva batendo as costas contra um beliche e destruindo um vaso sanitário com pontapés igual a um animal. Mas nem bem Freddie questiona os valores pregados por aquela seita, a falsa ilusão de controle de Dodd cede lugar a gritos ruidosos e o rosto enrubescido de raiva. Mais do que duas personalidades opostas e misteriosamente atraídas uma pela outra, Quell e Dodd parecem só frações de uma consciência única nos moldes da psicanálise, respectivamente o id e o ego. Esse é o tipo de interpretação que as tridimensionais obras de Paul Thomas Anderson, um dos diretores mais interessantes em atividade, inspiram no espectador, embora desta vez a maioria dos espectadores esteja mais interessada em se prender à superficialidade do discurso da Cientologia.

Sem disfarçar que Lancaster Dodd é inspirado em L. Ron Hubbard, o criador da crença citada – algo que Anderson já assumiu em coletivas para imprensa -, existe mais nas entrelinhas do roteiro também de sua autoria do que a mera desconstrução do culto que move celebridades como John Travolta e Tom Cruise. Pra ser sincero, esse é o elemento menos relevante em uma narrativa que busca descortinar como e porque as seitas – entre as quais estão incluídas as denominações religiosas -, seduzem, conquistam e praticam uma forma de lavagem cerebral nos seguidores, transformando-os em meros recipientes de verdades imutáveis e pré-estabelecidas, dogmas portanto, tema já explorado anteriormente pelo cineasta com menos detalhes em Sangue Negro.

Só que em vez de retratar A Causa como uma seita maléfica, Anderson a humaniza (vejam a ironia nas entrelinhas) a partir da figura d’O Mestre, cuja excelente interpretação de Philip Seymour Hoffman confere voz mansa e racional a Dodd só perdendo a cabeça em explosões pontuais quando é questionado por outros. E mesmo se à primeira vista ele pareça em controle inabalável, perceba que dentro dele existe um homem que deseja só reviver os prazeres mundanos atiçados por Freddie. Daí a indissociabilidade entre os dois e as tentativas frustradas de domesticar Freddie, como quando ao devolver um “bom garoto” sempre que ele age conforme esperado. A associação com o ego é inevitável.

Já como o id, Freddie é devolvido a um primitivo estágio de evolução da humanidade e vê no sexo a única forma de escapismo das frustrações em sua vida. Assim, no auge do tratamento pel’A Causa, Freddie consegue inclusive controlar o ímpeto de transar com uma mulher casada. Por outro lado, a imagem de um oceano calmo e sem ondas, em contrapartida ao singular momento de um homem minúsculo fugindo da vida correndo por um campo aberto, surge para representar a breve paz espiritual alcançada pelo rapaz, antes de devolver-se à instintividade novamente. Também é curioso destacar que Freddie, um ex-marinheiro, conhece Dodd apenas depois de cambalear para dentro do seu barco, o Alethia (do grego, verdade), fazendo com que o mar ainda represente a purificação tanto de um quanto de outro.

O Mestre tem por base uma narrativa criada por um cineasta perfeccionista cujos menores detalhes não passam desapercebidos do seu controle: o choro de uma criança pode ser ouvido discretamente certo momento e o copo de vinho de Dodd é o único sobre a mesa do jantar que está pela metade. Mais ainda, Anderson extraí a melhor atuação da carreira de Joaquin Phoenix o levando ao momento mais impressionante e visceral da narrativa em que o ator responde às perguntas de Dodd sem piscar os olhos e em um crescendo de agonia interna.

Superficial só para quem quiser enxergá-lo como uma simples analogia à Cientologia, O Mestre é a nova obra-prima no pequeno, mas seleto portfólio de trabalhos de Paul Thomas Anderson que igual a Stanley Kubrick, um autêntico mestre e uma de suas mais fortes inspirações, prova que o cinema é mais do que entretenimento. Pode ser sublime.


O Mestre (The Master)
Estados Unidos, 2012 – 144 min.
Direção: e Roteiro: Paul Thomas Anderson.
Elenco: Joaquin Phoenix, Philip Seymour Hoffman, Amy Adams, Jesse Plemon, Laura Dern.

Comentários no Facebook

2 Comentários

  1. Gosto realmente não se discute. Tem gente que acha “sublime” algo que só achei extremamente chato e sonolento, embora tenha me esforçado para entrar no “Clima” do filme. Se isso é a tal da Cientologia então Tom Cruise é um idiota mesmo.

Deixe uma resposta: