Crítica: A Entidade

De certa maneira, a carreira de Ellison Oswalt, personagem fictício (interpretado por Ethan Hawke) e protagonista de A Entidade, se assemelha bastante à carreira do diretor do filme, Scott Derrickson. Com um início mediano, os dois foram lançados ao estrelato devido a um trabalho excepcional (um livro sobre assassinatos ocorridos em Kentucky e o ótimo longa O Exorcismo de Emily Rose, respectivamente). Depois do sucesso instantâneo e passageiro, ambos buscam de qualquer maneira voltar ao topo, algo que não conseguem talvez pela expectativa criada em torno de seu nome, ou talvez (na pior da hipóteses) pela limitação do seu talento.

A trama mostra Oswalt se mudando com a família para uma casa onde anos antes ocorreu um assassinato brutal. Ele busca, com isso, ter mais detalhes para o livro que pretende escrever sobre o ocorrido. Sem contar para a esposa (Juliet Rylance) os detalhes da sua nova moradia, Ellison inicia uma investigação solitária pelos segredos envolvendo os assassinatos. Mas quando estranhos eventos começam a ocorrer na casa, o escritor vê-se mais envolvido na história do que inicialmente imaginava.

Derrickson retorna aqui à sua zona de conforto (o gênero de terror), numa tentativa de fazer o público esquecer a sua fraca ficção científica O Dia em que a Terra Parou, e ganhar novamente o reconhecimento por um trabalho bem feito. E o cineasta faz tudo certo. Seja nas referencias à Dario Argento – as cores e a chuva incessante –, ou na construção de um ambiente claustrofóbico e opressor (em vários momentos as pessoas ficam “pequenas” em relação à escuridão do resto da tela). Está tudo aqui.

Assim como os sustos, que acontecem com bastante frequência. Alguns previsíveis, como aquele que vem logo depois do suspiro de alívio do personagem; e outros nem tanto – como o rosto que surge da escuridão em certo momento. Além disso, a construção do suspense fica muito melhor depois que o protagonista começa a desconfiar da natureza sobrenatural que o cerca. A escolha narrativa de focar na solidão do personagem principal (são raras as cenas fora da casa) deixa o público ao seu lado, até mesmo quando este, egoísta ao extremo, coloca sua família em risco na sua busca por fama.

Ao final, apesar dos problemas – principalmente de roteiro, com diálogos auto-explicativos e situações previsíveis –, A Entidade tem um resultado positivo – créditos para Ethan Hawke pela excelente atuação – e aponta para um possível retorno do antes promissor Scott Derrickson. Mas ainda não foi dessa vez.

(3/5)
A Entidade (Sinister)
Estados Unidos, 2012 – 110 min.
Direção: Scott Derrickson. | Roteiro: C. Robert Cargill e Scott Derrickson.
Elenco: Ethan Hawke, Juliet Rylance, Fred Dalton Thompson, James Ransone, Clare Foley.

  • thamyaamorim

    Gostei da crítica. Vou procurar assistir ao filme.

  • Bob Saget

    uma merda o filme…

    • Skinny

      também achei, nem o trailer me deixou empolgado pra ver — '

  • Fred

    parece ser muito bom!

  • jeandro

    O filme em si e bom. Só que não chega a assustar tanto que quando fui, metade da sala estava namorando.

  • Marcos

    Filme muito fraco. sem noção…

  • Rafael

    Gostei muito do filme, com muito suspense e um final agradável.

  • romano

    filme lixo!

  • Anya

    O roteiro é bom, coerente e tal… mas não dá medo não… quase dormi no meio do filme… meio paradão…

  • Pedro

    filme da um medo do cacete….pulei da cadeira um monte de vez, sem contar que eh assustador o enredo do filme..

    • thamyaamorim

      hauhashuaushahusahs

  • Jéssica

    Tipo, a história é da ora, mas não da nem um pigo de medo, e muito menos susto… quase dormi no cinema,

  • Eduardo

    Ele não é filme um filme que dá medo, tem uns momentos tensos e tal mas o negócio é que ele dá muito susto Ò_Ó e ainda por cima as vadias que tavam assistindo o filme com a gente gritavam muito, aí meu coração às vezes ia a mil!

  • mael

    é o cara do slipknot 😛

  • ricardo

    Não da pra dizer que é um dos piores filmes de terror já feitos.
    Mas, é um filme que não da um susto, nenhum medinho, neeeem mesmo um suspiro. É simplesmente péssimo.

    Como um passatempo, pode ter certeza, é bem melhor que aquela bosta brasileira chamada "até que a morte nos separe".

  • thamyaamorim

    Eu voltei aqui para dizer que assisti ao filme e gostei bastante. Só não gostei do final :/

  • andre

    excelente filme, as criticas negativas sempre vem de pessoas que vão ao cinema ver algo que nem curtem! mas fazer o que opinião é opinião!!