"The Innocence of Muslins" já é o filme mais polêmico de todos os tempos!


Nenhum filme desta lista, levando em conta o período de seu lançamento, provocou tantas manifestações de revolta e protestos quanto The Innocence of Muslins. Desde a terça-feira (11/09), o filme de baixo-orçamento tem dado muito o que falar, depois que sua repercussão gerou ataques às embaixadas dos EUA no Iêmen, Líbia e Egito.

Dirigido e produzido de forma amadora por Sam Bacile, um corretor imobiliário israelense-americano de 54 anos, o filme anti-Islã é uma cinebiografia escrachada do profeta Maomé recheada de estereótipos negativos sobre o profeta: falso religioso, mulherengo, pedófilo, homossexual e sanguinário.

Para os fundamentalistas islâmicos, qualquer representação de Maomé é uma blasfêmia. Caricaturas ou outras caracterizações feitas no passado e consideradas insultuosas enfureceram muçulmanos em todo o mundo, provocando protestos e a condenações por parte de funcionários, pregadores, muçulmanos comuns e muitos cristãos na região.

A ira da população muçulmana diante da fita de Bacile foi tanta que atacaram diversas embaixadas dos EUA ao redor do mundo. No Egito, 200 pessoas ficaram feridas por causa dos confrontos entre manifestantes e polícia. Em Benghazi (Líbia), onde homens armados mataram o embaixador norte-americano Christopher Stevens, as autoridades fecharam o espaço aéreo e estariam prendendo suspeitos de ligação com o ataque de terça-feira.

Já no Iêmen, a polícia abriu fogo contra manifestantes para impedir que eles se aproximassem da embaixada americana. Na quinta-feira, homens invadiram a representação: quatro pessoas morreram e 44 ficaram feridos. Nesta manhã, xiitas separatistas do norte do país organizaram uma marcha na capital Sanaa, e o braço local da Irmandade Muçulmana convocou uma grande marcha em homenagem a Maomé. A organização quer reunir 1 milhão de pessoas.

Ao que tudo indica, a onda de protestos e violência não vai acabar por tão cedo. O pior de tudo é que The Innocence of Muslins nem merece tanto “crédito”: o filme é mal-feito, desconexo amparado por péssimas atuações. Assistam abaixo um trecho de 13 minutos:

Fonte: Yahoo Noticias

  • Cesar

    Este filme certamente não fala de Maomé, ou do islamismo. Maomé pregou a misericórdia acima de tudo. A responsabilidade dos homens com o seu semelhante e com Alá (Deus). A responsabilidade com as mulheres e filhos dos derrotados. Tratava-se de um líder coerente e carismático, a ponto de convencer com seus ensinamentos. Se a violência esteve presente em suas declarações, servia de alerta para a desobediência e a peraltice gratuita dos seres humanos "O castigo será espetacular." Foi dito.
    Desobediência aos ensinamentos de Deus. Desobediência às regras da Moral. O sétimo anjo sabia que Adão, como descendente dos macacos era naturalmente desobediente e peralta. Não merecia crédito. Mas Deus sabia o que os anjos não sabiam. O ser humano continuaria a ser moldado por Deus, pois foi lhe dada a capacidade de evoluir e mudar. O ser humano foi capaz de sobreviver, mas sem esquecer quem é e de onde veio.
    E que a comunidade islâmica nos perdoe, ocidentais, ignorantes, por termos nos tornado prepotentes a ponto de caçoar da própria origem e desprezar a moral. O poder do conhecimento em coisas do homem não nos torna superiores. Sinto vergonha do que se tornou o conceito de liberdade e a moral no Ocidente. Sinto o vazio da inexistência de regras. Nossos irmãos muçulmanos tem muito a nos ajudar a encontrar uma posição de equilíbrio. E finalmente entender o significado de Misericórdia.

    Cordialmente,
    Cesar.

    • João Santana

      É a misericórdia de Mohammad (Allah seja com ele) que o fez escrever no al-Qram sagrado que os infiéis (ou seja, os judeus e o povo do Livro, os cristãos) fossem mortos, caso um muçulmano se convertesse às religiões deles.

      Foi também a misericórdia de Mohammad (Allah o abençoe e lhe dê paz) que o fez escrever que um muçulmano que tenha se convertido à uma religião dos infiéis tenha três vezes o direito de negar sua conversão e livrar-se da pena de morte. Algo que descaradamente quase se ignorou no caso de Nadarkhani, cristão iraniano que pela misericórdia de Allah (Ele é Grandioso) não foi vítima da misericórdia muçulmana.

    • Pilgrim2k

      …"Adão, como descendente dos macacos…", kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Cesar, deixa de ser ridículo. Vá ler um pouco mais de Bíblia e do Alcorão e depois venha deixar o seu comentário, ok.

      • Cesar

        Já li.

      • Cesar

        Assista o filme: O Caminho para a Liberdade.

  • Felipe

    Homossexualidade como estereótipo negativo?! Por que mesmo?

    • A homossexualidade é tradicionalmente proibida pela lei islâmica.

  • Cesar

    Apenas um desvio ao padrão…
    As diferenças devem ser acolhidas como resultado da própria essência da vida.
    Mas ainda fica uma característica apenas humana a ser exposta sem vergonha e observada como regra moral: MISERICÓRDIA.

  • John Doe

    Se o que o islã prega é a verdade, porque eles o fazem na ponta de um fuzil (normalmente o AK 47), e não com a "mansidão" alegada???

    • Cesar

      Eles usam a arma como uma extensão do próprio corpo. Fica difícil carregar uma arma em um ambiente hostil. Você não pode matar, senão em nome de Alá. É uma questão de entendimento. Assim como foram as Cruzadas e a invasão das Américas. Só que era em nome de Deus. E no interesse de um patrocinador sedento por ouro ou algum tesouro valioso. Como já existe um entendimento de que Alá e Deus são a mesma referência então parece que tudo fica justificado? Não. As pessoas simples precisam viver o dia a dia. Precisam de um trabalho digno onde possam tirar o seu sustento. Oito horas a disposição do trabalho, oito horas para dormir e oito horas para cuidar de si e daqueles que necessitam de sua ajuda. A começar pela estrutura familiar. É preciso abandonar o pessimismo e olhar para a bondade da lógica. A maldade da lógica vem acompanhada pelo ódio. O que está em jogo é sempre a sobrevivência individual. A Paz.

      • Helena

        Ignorância mesmo é estuprar e matar em nome de Alá, Deus, Maomé ou sei lá quem…

  • Cesar

    Convicção fragilizada pela maldade da lógica.

  • Marcio

    Esse filme é tão ruim que até eu fiquei revoltado kkkkkkk

  • Não sou muçumano,mas oque fizeram com a religião deles é uma falta de respeito,eles amam e respeita suas fé,veja só no pais deles não entram outras religiões,como aqui no Brasil temos milhoes de religião,cheia de maladros,finjindo ser pastores e ficando riquisimos,

  • Rafa

    Esses islamicos radicais devem ser erradicados da face da terra.
    Chega de intolerancia, chega de odio. CHEGA.

  • Baiano arretado…

    eita povo…

  • Shadow1104

    Enquanto houver preconceitos, haverá guerra!