Crítica: O Espetacular Homem-Aranha

O tempo é um bom termômetro para grandes filmes e depois de assistir ao reinício da franquia do herói mais popular do universo Marvel, não é difícil concluir que a adaptação de Sam Raimi de 2002 tornou-se um clássico do gênero. Não que O Espetacular Homem-Aranha seja ruim, pelo contrário, é um trabalho consistente, satisfatório e ocasionalmente empolgante, reapresentando um personagem que mal tínhamos nos despedido apropriadamente, mas com dramas praticamente idênticos. E este é o seu grande defeito: qual o sentido de revisitar a história daquele jovem inseguro se nada realmente novo é servido juntamente na bandeja? Apesar desta incognita, se apagarmos temporariamente da memória a trilogia anterior, o filme de Marc Webb (dono do sobrenome mais adequado possível) tem charme e personalidade suficientes.

Ambientado em uma Nova York opressiva e escura, o roteiro explora uma lacuna desconhecida na vida de Peter Parker: o destino dos seus pais. Assim, ao encontrarmos um garotinho brincando de esconde-esconde e encontrando o escritório de seu pai, Richard Parker, revirado por invasores em busca de arquivos secretos, existe a intenção de estabelecer um contexto de conspiração razoavelmente bem realizado. Alguns anos mais tarde, habitando com os tios Ben e May, acidentalmente Parker encontra a pasta do seu pai e descobre uma foto dele junto ao idealista cientista Curtis Connors, especialista em répteis, e que sonha em curar deformidades a partir do cruzamento inter-espécies. Até que, mordido por uma aranha geneticamente modificada no laboratório, Peter desenvolve habilidades aracnídeas, como a capacidade de escalar paredes, superforça e um sexto sentido invejável.

Peter, porém, é apenas um adolescente tentando atravessar o último ano do colegial desapercebido. Não nerd como alguém poderia esperar, ele posa de herói ao ver o valentão Flash Thompson humilhando um colega e se envolve com a cativante e espirituosa Gwen Stacy, de encontro ao esteriótipo da mocinha em perigo. Assim, é natural que seus superpoderes sejam usados de forma imatura, como na demonstração de virilidade na quadra de basquete, ou para interesses egoísticos, na busca do assassino de um parente. Ser herói não passa na sua cabeça até descobrir ser responsável, indiretamente, pelo surgimento da grotesca criatura reptiliana que ameaça as ruas de Nova York: o Lagarto, monstruoso alter-ego do Dr. Connors que usara o soro não testado em si mesmo. Embalando-se entre arranha-céus e visto com desconfiança ou mesmo como um ameaça por muitos, o herói parte na busca de uma cura enquanto tenta manter a salvo a cidade.

Aproveitando a primeira metade para construir a personalidade de Peter, o diretor Webb é sensível em ilustrar a amargurada existência do jovem tendo em vista seu conturbado passado. Por outro lado, a direção é desastrada no surgimento do Homem-Aranha: subitamente Peter costura o uniforme, adapta os lançadores de teia (a opção destas serem orgânicas, embora infiel aos quadrinhos, fazia mais sentido) e domina as habilidades de se dependurar nos prédios, escalar paredes e lutar de forma graciosa e irritando os adversários. Tudo isto ocorre bruscamente, mesmo que a extensa duração permitisse ao cineasta se esforçar mais e evitar soluções preguiçosas – num certo momento, ninguém mais estranha a mudança no comportamento de Peter e seus machucados frequentes.

De forma similar, ao mergulhar na obrigatória ação, a narrativa também alterna altos e baixos. A câmera acompanha incessantemente os movimentos do Aranha subindo pelas paredes, esgueirando-se por estreitas aberturas e se balançando por entre prédios, as lutas têm energia e bom humor suficiente para se sustentarem e a ênfase pontual no terror é oportuna. Contudo, o excessivo desleixo com a identidade secreta do herói e o óbvio desenrolar dos planos do Lagarto (um dispositivo é apresentado no meio da narrativa apenas para isto) sequer disfarçam a falta de inventividade do roteiro que sugere situações que não se confirmam e pega “emprestado” sequências inteiras de outros filmes.

Entretanto, o elemento humano prepondera no saldo final positivo: Andrew Garfield é convincente no papel-título, apresentando um jovem calejado que poderíamos tomar por nosso vizinho. Mas, embora ele tenha que carregar a responsabilidade da narrativa, é Emma Stone quem se destaca e Gwen Stacy transborda de carisma e energia logo que surge em cena, tornando fácil se apaixonar por esta geek de olhos grandes e sorriso encantador. Por sua vez, Rhys Ifans (o amigo estranho de Hugh Grant em Um Lugar Chamado Notting Hill) transforma Curtis Connors em um cientista bem intencionado e ético que, assim que é transformado no Lagarto, sucumbe a um complexo de Dr. Jekyll e Mr. Hide. O resto do elenco composto de atores conhecidos, como Martin Sheen, Sally Field e Denis Leary, está correto e tem bons momentos. Aliás, observe o sinal dos tempos: até Flash, interpretado por Chris Zylka, que poderia ser apenas um brucutu unidimensional, é apropriadamente humanizado em um instante de sensibilidade.

Deixando portas abertas para a anunciada trilogia (espere a última cena durante os créditos finais), Marc Webb é covarde ao ensaiar a quebra de uma promessa logo após esta ser realizada. E, se até aqui consegui evitar comparações, não posso deixar de destacar que O Espetacular Homem-Aranha perde para o irmão mais velho, embora a perspectiva de novas aventuras do aracnídeo não mais na colorida Nova York, mas nessa claustrofóbica selva urbana, seja interessante e empolgante.

(3/5)
O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man)
Estados Unidos, 2012 – 136 min.
Direção: Marc Webb. | Roteiro: James Vanderbilt, Alvin Sargent e Steve Kloves.
Elenco: Andrew Garfield, Emma Stone, Rhys Ifans, Denis Leary, Martin Sheen, Sally Field.

  • Cara, eu não sei do que as pessoas têm reclamado desse filme! Caraca esse pra mim foi o melhor filme de super-herói! Gostei mais do que Os Vingadores… Até a minha namorada que odeia esse tipo de filme adorou… O que muitas pessoas se esquecem é que as coisas na história do Aranha, sempre, eu disse, sempre acontecem por acaso! Vocês que dizem "Ahh, eu acompanho o Homem-Aranha, desde que ele foi criado" deviam pensar e lembrar que esse é o estilo das histórias do aranha e tem funcionado desde sempre… Cara esses dias eu tava vendo algumas HQs e desenhos antigos e eu simplesmente não conseguia parar de rir de tão bobas, inocentes e feitas de coincidências que eram as histórias… Por isso adorei o filme, esse era o Spidey que eu queria ver, ele se parece muito mais com o Aranha que eu cresci lendo e achei que o Webb usou todos os personagens muito bem… Gostei também das mudanças que ele fez na história, achei que elas se incorporaram muito bem à trama, como o caso das teias que ele rouba da Oscorp, eu aposto que ficou muito mais realista do que se um moleque tivesse criado super teias resistentes sozinho, usando alguns materiais que ele comprou… (Nas hqs que eu li tem até uma hora que ele diz que usou asa de morcego pra fzr as teias, caraca asa de morcego? Essas coisas podem funcionar nas HQs, pois na HQs, não é preciso ter muita história, apenas algumas desculpas pra ter porrada) Ahh por favor aí seria forçado e clichê, e no que os produtores se focaram, como eles mesmos disseram, foi no realismo da história… Uma coisa que a maioria das pessoas não entendeu, foi que o sentido aranha não foi cortado, mas apenas a ideia dele aparece no filme, deixando o Andrew com um ar mais de predador, se vcs assistirem o filme de novo vão ver, que logo depois que ele é picado e está no quarto dele, ele fica se assustando com tudo, pois começa a sentir as coisas ao redor dele com mais sensibilidade e tem a cena que ele tá no telhado com a Gwen e ele começa a sentir que alguma coisa está errado, então quando ele olha pra baixo, as sirenes dos carros policiais começam a tocar e ele pula… Os produtores apenas pegaram as ideias do Aranha original e moldaram à realidade de um garoto… Achei a origem dele uma ótima história e me lembrou muito o arco de histórias Ultimate, que na minha opinião é uma das melhores, principalmente quando ele leva o tiro, nossa foi completamente Ultimate… O que me irrita é que parece que todo mundo não prestou atenção no filme, tem gente reclamando "Ahh o Tio Ben não disse com grandes poderes, vem grandes responsabilidades", gente ele disse de outro jeito, mas teve o mesmo significado pra Peter! Ele deu um sermão no Peter que disse tudo isso e muito mais o diretor só quis nos poupar de ouvir essa frase de novo pela enésima vez e deixou essa parte mais subliminar, apenas com a ideia dessa frase… Outra coisa que ta me irritando é que tem gente falando "Ahh nem o Osborn, nem o J. Jonah Jameson, aparecem nesse filme", pessoal, vocês não entendem de história? O Clarim Diário é mencionado várias vezes durante o filme e o Peter vai para o esgoto com a câmera pra tirar a foto do Lagarto, depois de ler a seguinte manchete no jornal Clarim Diário "Recompensa por prova" pela existência do Lagarto… E na hora que ele está tirando as fotos temos uma sensação tipo "Ah ele tirou as fotos, então vai vender pro J. J. J.", mas logo depois o Lagarto quebra a câmera e então deu pra sentir que essa parte vai ficar pro outro filme… Os produtores controlaram muito bem o momento da aparição de cada personagem, deixando o Osborn, o J. J. J., o assassino do tio Ben, Mary Jane, Harry e muitos outros heróis necessários na história, para os próximos filmes e isso pra mim foi muito certo, pois, eles se focaram bem na história do Peter e a Origem do Aranha, (Como um Batman: Ano Um, onde apenas os personagens essenciais para a origem do Batman são usados) e achei que desse jeito, junto com a dúvida relacionada ao desaparecimento dos seus pais, deixou a trama com um quê de mistério e que estavam nos preparando para o segundo filme onde algumas dessas questões vão se desenrolar… Adorei o Lagarto, adorei as CGIs achei muito bem feitas, adorei o realismo nos movimentos do Aranha simplesmente ADOREI o filme, fui com muito receio com as coisas que o Borgo falou e estava com a expectativa lá em baixo, mas durante o filme eu soltei vários "Baralho, que soda!", pois era isso que eu queria ver o Aranha trollando e sendo apenas um moleque… Eu acho que o Borgo pegou pesado com o filme que não é perfeito, mas é ótimo e simplesmente eu não sei que tipo de filme o Borgo gosta… Sei lá acho que o filme não é tão ruim a ponto dele dizer as coisas que disse… Sei que o Arad tem muito mais experiência como diretor, mas na minha opinião o Webb traduziu o Aranha de uma maneira muito mais interessante e um pouco diferente do que estamos sempre vendo a décadas e décadas… Bom essa é minha opinião… Go Spidey! E aguardando OEHA2!!!

    • dux

      vc não é fan de homem aranha
      como pode dizer que esse filme é otimo que na verdade ele é razoável ou péssimooooooo!

  • Paulo H. de Pinho

    Para mim a trilogia do Sam Raimi nunca foi intocável e eu esperava esse reboot com muito otimismo.

    O maior trunfo do Webb foi apresentar um Homem-Aranha MUITO mais carismático que o do Tobey Maguire, com Andrew Garfield muito bem, e cativando mais o público. A Gwen é um par romântico sensacional e muito mais interessante que a Mary Jane, fora que é interpretada por uma atriz muito melhor (Kirsten nunca me convenceu).

    Outro trunfo é que o homem-aranha PRECISAVA de um filme em 3D.

  • Eu gostei mto do filme, assisti 2 vezes, talves assista de novo. Me ponho no lugar de peter, se eu tivesse super poderes eu ia guardar segredo sim, mas contaria para a garota que eu amo, e nao seria mais o " panaca" do colegio ". O Peter esta mto mais " adolescente " , mais ousado, Gostei mto das vezes que ele se atrapalha saindo de cena, algo que talves nao tão "comercial" em relaçao filme anterior, ele se atrapalha, cai as vezes, sai meio torto. OS efeitos especiais são otimos. O lancy de ter a gravação do tio dele no celular foi mto bem pensado, mto emocionante

    Eu nao gostei mto de nao ver a Mary Jane, ela ( ao meu ver ) tem q ser a paixão platonica dele. Acho que a historia poderia ser um pouco mais elaborada, na cena que o peter entrega os ovos ele esta com o rosto todo ferido, e na cena seguinte, Stacy esta de luto pelo pai, e vai na casa dele e o Peter esta com o rosto limpo, akeles ferimentos demorariam semanas, talves meses para cicatrizar. Outra cena que eu nao gostei mto, foi akela do assalto, nao é bem do fetio do Peter aceitar aquele produto que foir "roubado " da loja. E uma coisa que eu sempre percebi nos quadrinhos, nos desenhos do aranha é uma enfase maior no "sentido aranha" e nos pensamentos dele que as vezes eram narrados.

    Emfim estou muito ancioso para a continuação do filme, espero que estaje ligado ao proximo filme dos vingadores 😀

  • Rodrigo

    é triste ver como o nível de fãs de cinema caiu. pessoas que erram feio na análise de um personagem e até no português. Para os fracos de plantão, vou colocar somente dois absurdos colocados no filme. Primeiro: ele levou um tiro (perguntem ao stan lee se isso é possível , estando o aranha sem nenhum ferimento, e tendo o seu sentido de aranha, fala sério). Segundo: com a superforça que adquiriu, como ele chegava de olho roxo e outros ferimentos? bandidos comuns nunca deram trabalho nenhum para ele. Mas o motivo de fazerem filmes nesse nível é porque as pessoas são fracas de análise.

  • Danilo

    Péssimo roteiro e direção que deixa a desejar. Não recomendo filme totalmente desnecessário.

  • Concordo com o Alexandre sobre o Filme e é realmente um Otimo filme, tem muitos criticos ae dizendo que o misterio sobre o pai dele ñ é necessario e eu discordo, os 3 primeiros filme giram em torno dos dramas de um Peter sem motivos pra ter tanto drama, quer dizer eu intendo que ele sofria um Bulling, gostava de um garota complicada e popular, mas o novo Peter sobre pelos mesmos problemas mas tem um motivo mair pra sofrer que é a falta que tem dos seus pais e após virar o Homem aranha ele ñ vira só um Heroi que detem vilões e sim um Herois em busca de respostas, Todo o misterio é um ponto forte pro Aranha, afinal no filme do homem de ferro o pai do tony descrubiu a tecnologia ARK que salvou o Tony mas o pai dele sabia do elemento pra deter a contaminação do reator que era o PALADIO (se ñ estou enganado) e o passado do tony serviu para deixar a historia melhor, no filme do THOR ele é feito rei por um erro do passado de ODIN pois ele nunca deixaria LOKI ser um rei sabendo que ele é filho dos gigantes de gelo oque faz o LOKI ser mal, ou seja o passando do Heroi o humaniza e a historia mas bem montada e misteriosa. Oque quero dizer é que saber que o Homem aranha ñ foi criado do acaso e sim que a aranha que picou o Peter foi criado pelo pai dele que foi morto misteriosamente, é algo otimo pois faz a gente querer ir aos proximos filmes pra saber como vai se a profundar o misterio e ñ só pra saber se vai ou ñ aparecer a Mary Jane,Outra coisa boa é qua quando o Tio Ben morre é uma morte pior doque a da 1º franquia pois ele morre sem dizer nada oque faz o Peter querer usar seus poderes para se vingar oque faz com que o carater do personagem seja criado aos poucos e ele va percebendo seu real proposito como Heroi, e tem gente reclamando que ele mesmo cria os lançadores de Teia, mas vamos ser sinceros, as aranhas elas soltam teia e andam sobre elas, elas ñ ‘DISPARAM” teias longas numa parede distante, o proposito do filme realmente é mais REALISTA, eu ñ gostei muito da cidade de NY ficar meio sem cor mas no final das contas o homem aranha ainda esta virando um heroi, ele ainda ñ salva crianças de serem atropelados, isso é pro proximo filme e se ele ta caçando bandidos armados é claro que isso vai ser nos becos escuros da noite, e RODRIGO eu respondo seus 2 absurdos,.

    Primeiro: ele levou um tiro, estando o aranha sem nenhum ferimento, e tendo o seu sentido de aranha.
    R: Naquele momento o Peter tinha acabado de ter sua indentidade revelada e sua namorada estava em perigo e claramente ele estava abalado (nota-se isso quando ele pede pro Cap, Stacy pra deixa-lo ir) e mesmo o Capitão dando a ordem de ñ atitar um deles airou oque é perdoavel estando o Peter tão abalado ele levar um tiro e o sensor da aranha falhar, agora pq vc ñ pergunta pro Stan Lee como no Homem Arnha 3 o Homem aranha vai salvar a Mary Jane no TAXI e não percebe que o Homem areia esta pra esmaga-lo, isso sim foi um erro.

    Segundo: Com a superforça que adquiriu, como ele chegava de olho roxo e outros ferimentos? bandidos comuns nunca deram trabalho nenhum para ele.
    R: Se vc assistiu viu que quado ele prende o primeiro bandido na primeira aparição como homem aranha, que a policia chega pra prender ele e ele foje e quando solta a teia ele bate num onibus! e no HQ criado antes do filme pra quem tava ancioso (PROCUREM NA NET “PRELUDIO DO HOMEM ARANHA” que mostrar mais sobre o Peter do filme) no HQ ele esta indo pra ponte ver o chamado e um dos lançadores da falha e ele cai no meio da Rua, ele ainda esta aprendendo a controlar seus poderes, se vc ganha um patins vc sabe como usa-lo mas vc ñ sabe Usa-lo, é pratica.

    O filme é otimo, ñ é um MARAVILHOSO mas é muito bom e eu acho que esta a altura da Trilogia antorior pois humaniza mais seus personagens e deixa varias perguntas pro proximo filme. Me desculpe pelos erros de portugues pois ñ sou um bom escritor, mas se tiver alguem ae se importando como eu escrevo que se dane pois ele devia estar preocupado com a ideia que esta passando não como ela esta escrita……….essa é a minha humilde analise e eu iria no cinema ver dinovo…………..

    • Diego

      Perfeito Ion, tem muito pseudos-intelectuais por aí que se acham melhor porque alguém escreveu errado.
      Em relação ao que você disse, perfeito também. O Filme é ótimo por isso, o Homem Aranha é um adolescente que ganha poderes, mas não é invulnerável. Nota-se a preocupação do Diretor em retirar a fantasia de Sam Raimi assim que ele ganha os poderes. O Peter de Webb é ágil e mais inteligente, quanto o de Raimi quase podia saltar por cima de um prédio.

      Sobre as perguntas do amigo lá de cima:

      1ª concordo com o Ion.
      2ª ganhar super força não é ser invulnerável como o Superman (personagem que eu odeio justamente por ser fodão) a pele dele continua a mesma e ele se machucou pois trombou com um ônibus e ele ainda não estava acostumado a agilidade que ele tinha naquele momento.

      Se quer um personagem sem cicatrizes vá ler Superman.

  • wal

    sem comentários..muito ruim! sou mais o Tobie maguire..enjoei,nem quiz assistir o resto..

  • ricardo

    Pior versão já feita do homem aranha já feita. Simplesmente, lixo para gringo ver. Andrew garfield, conseguiu ser o pior protagonista do herói, sem carisma, não conseguiu convencer ninguém. A trama então é mais confusa e cheio de furos do que aquele péssimo terceiro filme do homem aranha contra o homem areia. Talvez seja hora de pensar em não continuar com uma trilogia péssima, de um herói tão complexo e legal como o homem aranha.

  • pelo amor de Deus, este filme ficou horrível ,o cara se pendura no metro todo mundo ver o rosto dele , o cara e nerd descolado muito interesante,
    e a forma como ele ganha seus podereis ridículo, ta cheio de aranhas la vou la para ganha podereis também rs rs rs, eu achei este filme roteiro muito fraco, a unica coisa que gostei foi os efeitos especiais que estão bem melhor do que o homem aranha anterior.

  • Esse filme é de longe o mais fraco.Nem tem comparacao esse garoto esquisito qie age feito drogado,briga com os tio e a tia e se achando o bam bam bam com o nerd reprimido e louco por socializacao que é o de Tobey Maguire.O lagarto como vilao nao ganha nenhum percentual comparado ao duende verde,Dr octopus ,venon e homem areia. Esqueceram o Harry. Mastigam as cenas e perde o sentido.A,morte do tio Ben é incrivelmente sem noção,deixando de lado uma das mais celebres frases dos quadrinhos “com grandes poderes vem grandes responsabilidades. ” o tornando um tio implicante e ele,um sobrinho mal agradecido. Outra coisa sem sentido é do porque ele do nada criar a mascara e a policia querer ele preso.E até os efeitos especiais sao faceis de engolir comparados as incriveis sequencias de seus 3 antecessores e apela extremamente para a comédia.
    A UNICA coisa que vale a pena neste filme é somente Gwen Stacy que me fez,parecer ve-la devolva nos quadrinhos.
    Nos mais prefiro vez as 6 horas e meia dos tres filmes de Sam Raimi com uma historia e,narrativa bem construida doque os 72 minutos desta tentativa de lucro cinematografica.