Crítica: 12 Horas

O que fazer para provar um fato que ocorreu com você e ninguém acredita? Dirigido pelo pernambucano Heitor Dhalia, 12 Horas, é um suspense que narra a saga de Jill (Amanda Seyfried de A Garota da Capa Vermelha), personagem assustada (com um pé na paranoia) que luta Jiu-Jitsu e anda armada por conta de um passado traumático que envolve um serial killer que nunca foi descoberto.

Na história, conhecemos duas irmãs, Jill e Molly (Seyfried e Emily Wickersham de Eu Sou Número 4) que vivem em uma casa repleta de trancas. Uma delas é viciada em estudo (Molly), a outra é garçonete em um bar na cidade e no passado fora presa por um sequestrador num buraco (literalmente falando), sendo alimentada com comida de gato. Quando Molly desaparece, Jill está convencida de que o sequestrador é o mesmo que a raptou há alguns anos, e decide capturar o sujeito, contando mentiras e mais mentiras para todos ao seu redor, no intuito de conseguir informações que a coloquem na trilha do criminoso.

O início é caracterizado por um climão tenso, imposto pelas imagens, ações dos personagens e música características de um thriller; méritos para Dhalia. Mas, conforme a fita anda, somos conduzidos a um jogo (que parece a princípio ser psicológico) de gato e rato onde as peças demoram para se encaixar. O roteiro torna-se desarmônico e os diálogos soam despropositais, momentos que deveriam ser tensos acabam gerando risos involuntários.

Amanda Seyfried se esforça, tentando passar para a personagem toda a aflição de uma mente perturbada, mas o filme não ajuda. Pior ainda os coadjuvantes que poderiam ser um bom fio condutor dessa trama, mas, são muito mal aproveitados. Wes Bentley e Jennifer Carpenter, por exemplo, pouco adicionam ao longa e poderiam contribuir mais.

Mas o que mais incomoda em 12 Horas é o fato de todo mundo que aparece para conversar com a protagonista, possuir memória de elefante, entregando a jovem sempre informações certeiras. Se ela fosse esperta, perguntava os números do próximo sorteio da Mega Sena. Dhalia merecia uma estreia melhor em Hollywood.

(1.5/5)
12 Horas (Gone)
Estados Unidos, 2011 – 94 min.
Direção: Heitor Dhalia. | Roteiro: Allison Burnett.
Elenco: Amanda Seyfried, Jennifer Carpenter, Wes Bentley, Daniel Sunjata, Emily Wickersham.

  • Eric Franco

    Eu gostei do filme, e acho a Amanda muito linda, eu trabalho em uma vídeo locadora, e curti muito o site, e com as críticas vou poder me atualizar mais nas minhas indicações aos meus clientes. Mas vendo essas críticas, percebo que realmente são verdadeiras em relação ao filme, mas eu ainda curti o filme!