Crítica: Os Especialistas


Os Especialistas

O Casa Très de Chic, famoso hotel localizado em Nova York, propriedade de Robert DeNiro devia estar precisando de alguma reforma. Isto explicaria o porque do consagrado ator estar participando deste longa de ação meia-boca, num papel sem expressão e com poucas cenas. Baseado no best-seller The Feather Men, escrito pelo britânico Sir Ranulph Fiennes, Os Especialistas não oferece nada de novo ao gênero com seu argumento pífio e cenas de ação que parecem requentadas de outros filmes mais interessantes.

Ambientado nos anos 1980, a trama centra-se em Danny (Jason Statham), um assassino de aluguel que decidiu se aposentar após quase ser morto durante uma missão no México. Abandonar esta profissão é dificil e logo ele é obrigado a voltar a ação quando seu mentor, Hunter (De Niro), é capturado por um poderoso Sheik do Oman, que ameaça executá-lo caso Danny não concorde em assassinar três militares da SAS (Special Air Services, a tropa de elite britânica) que mataram três dos seus filhos durante um conflito armado. Enquanto isso, é perseguido por Clive Owen e sua turma de oficiais da inteligência britânica.

O fato do filme ser baseado numa história verídica não o torna necessariamente melhor. Killer Elite tem uma narrativa sofrível, uma recriação da época mal-cuidada, personagens desinteressantes e erros de continuidade grosseiros que criam paradoxos temporais – Statham desiste do “trabalho” em 1980 e um ano se passa antes de De Niro ser capturado, para em seguida, um jornal mostrar o obituário de um dos alvos da SAS com o ano de 1980! A culpa pode ser jogada sem dó nas costas dos dois estreantes por trás das câmeras: o roteirista Matt Sherring e o diretor Gary McKendry (pela primeira vez comandando um longa-metragem).

O trio de atores bem que se esforça, mas é dificil “fazer bonito” quando seu papel tem a profundidade de um pires. Statham já está acostumado com este tipo de veículo e gosta de repetir o mesmo personagem à exaustão (vide Assassino a Preço Fixo, Os Mercenários, Blitz); Owen é mais versátil e acredita que um bigodinho vai dar credibilidade a sua caracterização de militar destemido; e De Niro, pagando as contas, parece não se importar em emprestar seu talento como coadjuvante de luxo.

Apesar de todos estes problemas e a falta de originalidade, as cenas de ação, mesmo clichês, são bem coreografadas e editadas. Talvez o bastante para atender as necessidades mais básicas dos fãs do gênero que não estão preocupados com roteiro, construção de personagens, aspectos criativos ou contextos verossímeis. Talvez não para quem esperava, mediante uma história promissora e protagonistas de primeira, um filme bem melhor.

(2/5)
Os Especialistas (Killer Elite)
Estados Unidos / Australia, 2011 – 116 min.
Direção: Gary McKendry. | Roteiro: Matt Sherring.
Elenco: Jason Statham, Clive Owen, Robert De Niro, Dominic Purcell, Aden Young, Yvonne Strahovski.

  • Daniel

    Essa história de "baseados em fatos reais" gerou polêmica quando o livro foi lançado. O autor nunca apresentou provas, o exército nega (o que não prova nada, eu sei) e há uma história de que a viúva do sujeito da SAS que morreu durante treinamento (lembra da cena em que o Stahan põe sonífero na bebida dele?) foi confrontar o autor em uma seção de autógrafos e ele teria confirmado que foi tudo marketing.

  • jefferson

    nao e tao ruim assim como vc pintou

  • Jacson

    Deixa a desejar, mais do geito que você fala parece mais um anti cinema do que um crítico.

  • jonny

    pra mim..esse tipo de profissão ou atividade.." critico de cinema"
    é totalmente inutil e tosca..ficar falando mau de um filme q especificamente esse tal critico não gostou..
    creio eu q a qualidade, historia, atores e blablabla..bobeira qualquer fika a criterio de cada um q assiste o filme.
    só pq entendem um pouco mais sobre a historia do cinema saem falando asneiras de tudo e de todos
    bando de estranho querendo bancar o "cult" ou querendo parecer interessante..
    sem credibilidade nenhuma..desculpe minha opiniao radical :)

  • Telespec

    jeito com J, por favor.

  • wilton

    Não dá pra avaliar um filme baseado na opinião de um crítico de cinema.Conheço muitos filmes que foram considerados ruins por eles,no entanto,fizeram sucesso e deram muita bilheteria.

    • fabi

      até comprar o ingresso, ninguém viu o filme ainda…

  • Galliard

    Eu acho interessante como o crítico apresenta uma sequência razoável de argumentos que são rebatidos de forma genial pelos leitores com um "mais do geito que você fala…" (barbarismos à parte), o clichê "muitos filmes criticados fazem sucesso e dão MUITA bilheteria" (note o vernáculo do leitor). E, por favor, meu deus, explica pra mim por que um sujeito que não dá credibilidade a quem faz críticas ao cinema vem ler uma CRÍTICA DE UM FILME QUE ESTEVE EM CARTAZ NOS CINEMAS!! POR FAVOR, SENHOR!! Acho que vou ter que ir pro caixão com essa dúvida.
    Por fim, acho que a forma como você criticou os humildes fãs de filmes de ação descomprometidos com enredo e char building muito agressiva, tornando este parágrafo do seu texto extremamente pedante. E, vamos combinar, um filme que tem Jason Statham como protagonista não corre nenhum risco de aprofundar-se no desenvolvimento de personagens. Talvez seja inocência do crítico criar expectativas neste sentido.

  • ricardo

    Eu gostei do filme, é um excelente passa tempo, talvez por estar baseado em um livro, o seu enredo ficou até bem amarrado, em comparação a outros filmes do gênero. Concordo com nosso amigo crítico, realmente fiquei surpreso com a presença do De Niro como coadjuvante de luxo.

    Acho que o grande problema é que os personagens são bons, e como a crítica mesmo disse, os diretores deram uma profundidade de um pires para estes.

  • punisher

    filme excelente, roteiro a nivel ou ate melhor que vingadores, muito bom, para quem gosta do genero,